sexta-feira, 16 de março de 2012

Princípio

 Não tenho deuses.
 Vivo desamparado.
Sonhei deuses outrora
Mas acordei.
Agora, os acúleos são versos
E tacteiam apenas
A ilusão de um suporte.
Mas a inércia da morte
O descanso da vide na ramada
A contar primaveras uma a uma
Também me não diz nada.
A paz possível é não ter nenhuma.

[Miguel Torga]

Sem comentários:

Enviar um comentário